Pesquisar no Glossário

Glossário de Obra

Significado dos termos mais comuns de reforma e construção iniciados com a letra M

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z
MACHO
Nome de qualquer saliência de uma peça que penetra em cavidade executada em outra peça que deve ser ligada à primeira.
MACHO-E-FÊMEA
Tipo de encaixe em que uma saliência se adapta a uma reentrância.
MADEIRA DE LEI
Designação dada à madeira dura, resistente às intempéries e ao ataque de fungos, brocas e cupins. A denominação remonta aos tempos do Brasil Colônia, quando as árvores que produziam as madeiras nobres só podiam ser derrubadas pelo governo.
MADEIRAMENTO
Conjunto de madeiras usadas na construção.
MALHA
Característica dos tecidos metálicos que indica o número de aberturas por área.
MANILHA
Tubo de barro, geralmente vidrado, usado nas canalizações subterrâneas. Existem manilhas porosas e até furadas que servem para favorecer a infiltração, ao longo de um terreno, de líquidos efluentes das fossas sépticas ou de poços negros.
MANSARDA
Tipo de telhado que permite o aproveitamento do vão e do espaço sob o telhado (sótão), é constituído de duas águas: as superiores, com inclinação comum, formam o telhado propriamente dito, enquanto as inferiores, num plano quase vertical, vão constituir as paredes do sótão. É largamente utilizado na França, onde foi criado por François Mansard.
MANTA ASFÁLTICA
Revestimento que impermeabiliza lajes e coberturas feito com os mesmos materiais do asfalto.
MANTA PLÁSTICA
Revestimento plástico que impermeabiliza lajes, coberturas e contrapisos. Pode ser aplicada diretamente sobre o solo para evitar erosão.
MÃO-FRANCESA
Elemento estrutural inclinado, geralmente apoiado numa parede, que serve para diminuir algum vão de viga. Numa série de tesouras, é o nome das escoras que obliquamente ligam as extremidades inferiores dos pendurais com a cumeeira, determinando contraventamento no sentido transversal do sistema estrutural do telhado.
MAQUETE
Reprodução tridimensional, em miniatura, de um projeto arquitetônico.
MARCAÇÃO
Primeira fiada de blocos ou tijolos para marcar o alinhamento das paredes.
MARCHETARIA
Arte de incrustar ou embutir peças de madeira, pedras preciosas ou madrepérolas em obras de marcenaria, formando desenhos.
MARCO
Pedra ou poste que se crava no solo para demarcação e delimitação de terrenos. Peça fixa de madeira adaptada à ombreira de pedra de uma porta e que recebe as dobradiças sobre as quais giram as folhas.
MÁRMORE
Rocha cristalina e compacta, usada para revestir pisos e paredes e guarnecer pias de cozinha e banheiro. Tem bom polimento e pouca resistência ao calor.
MARMORIZAÇÃO
Técnica de pintura que imita a textura do mármore.
MARQUISE
Alpendre em balanço, geralmente sustentado por mãos-francesas, que serve para resguardar plataformas de estações, vitrines e mostruários de lojas, calçadas e passeios. O termo designa praticamente todas as espécies de coberturas lateralmente abertas, ao lado dos edifícios.
MASSA
Argamassa usada no assentamento ou revestimento de tijolos.
MASSA CORRIDA
Produto à base de PVA ou acrílico que dá acabamento liso à parede, servindo de base para receber a tinta.
MASSA FINA
Mistura de areia, água e cal, empregada para rebocar paredes.
MASSA GROSSA
Mistura de areia, cal, água e cimento usada no emboço ou para chapiscar paredes.
MASSA RASPADA
Mistura de areia, cal, cimento e corante que substitui a pintura. Não pode ser retocada e, depois de aplicada, é penteada com uma escova, justificando seu nome. MDF chapa de fibras de madeira de média densidade, aglutinadas com resina sintética termofixa, que se consolidam sob ação conjunta de calor e pressão.
MEDITERRÂNEO
Estilo que marca a arquitetura de países banhados pelo Mar Mediterrâneo, como Marrocos, Itália, Tunísia, Grécia e Espanha. As casas, geralmente, têm poucas aberturas para o exterior, voltando-se para um pátio interno e dispensando ornatos. A cor branca das casas reflete os raios solares e amaina o calor, permitindo que as vielas fiquem menos escuras à noite e promovendo ainda a higiene, evitando, por exemplo, a proliferação de moscas e outros insetos.
MEIA-ÁGUA
Nome dado ao telhado constituído de um só plano inclinado.
MEIA-CANA
Moldura que apresenta concavidade longitudinal. Nome dado à telha de canal.
MEIA-ESQUADRIA
Ligação em que duas peças se encaixam formando ângulo reto, com os planos de contato entre ambas as peças cortados em 45 graus. Nas esquadrias, as quatro fendas diagonais nos quatro cantos. Nome de instrumento de marceneiro, espécie de esquadro, com que se podem traçar ângulos.
MEIA-PAREDE
Parede que não fecha totalmente o ambiente na vertical, usada como divisória.
MEIO-NÍVEL
Piso construído à meia altura que aproveita um pé-direito duplo ou um declive no terreno. Meio piso.
MEIO-TIJOLO
Parede cuja espessura corresponde à largura de um tijolo.
MEMORIAL DESCRITIVO
Descrição de todas as características de um projeto arquitetônico, especificando os materiais que serão necessários à obra, da fundação ao acabamento.
MESTRE-DE-OBRAS
Profissional que dirige os operários em uma obra.
METAIS
é o nome que se dá ao conjunto das torneiras, misturadores, válvulas, registros e outros componentes que arrematam as tubulações do serviços de hidráulica.
MEZANINO
Pavimento intermediário entre dois pisos, havendo necessariamente comunicação interna entre todos eles. Outra característica do mezanino é não ter acesso direto para o exterior.
MILHA
Antiga medida brasileira equivalente a 2.200m -a milha inglesa mede 1.609m.
MIRACEMA
Pedra antiderrapante que mancha facilmente com óleos e produtos químicos. Como suporta grandes pesos e intempéries, pode revestir pisos de garagens e pátios.
MIRANTE
Ponto ou construção elevada de onde se enxerga ao longe. Construção acima do telhado de um edifício, provida de janela ou abertura que permite visibilidade para o exterior.
MISTURADOR
Torneira que tem dois volantes, os quais controlam a entrada de água quente e fria para uma mesma saída. O misturador monocomando faz o mesmo controle com apenas um volante.
MODERNISMO
Refere-se a toda inovação nas artes e na arquitetura processada no século XX. Concreto, vidro e armações de ferro são moldados pelos novos construtores de forma funcional. Nos Estados Unidos, destaca-se Louis Sullivan com a máxima "a forma segue a função". O espírito de seriação da indústria norteia a obra do arquiteto franco-suiço Le Corbusier. Linhas retas, sem adornos -planta livre (colocação do banheiro na parte central da construção) -estrutura evidenciada -casa sobre pilotis. Essas idéias sintetizam as novas propostas de moradia. No Brasil, destacam-se os arquitetos Lúcio Costa e Oscar Niemeyer e dentre suas inúmeras obras está Brasília, a nova capital do país.
MÓDULO
Elemento comum de medida que se emprega para assegurar à construção um processo normativo e lógico de desenvolvimento. Pode ser constituído por simples medida corrente (por exemplo, 1,00m) ou pelas dimensões de determinado material a ser empregado na obra: um tijolo ou uma parede pré-moldados, painéis pré-dimensionados e industrializados, etc.
MOLDURA
Ornato, em obras de arquitetura, que consiste na composição de partes salientes e reentrantes, cuja continuidade seguindo as linhas, retas ou sinuosas, através do jogo de luz e sombra, assegura uma conjunção precisa da forma arquitetônica. Caixilho para guarnecer quadros e estampas, geralmente de madeira ou gesso. Elemento que compõe o acabamento dos listelos, emoldurando-os.
MONOQUEIMA
Processo de cozimento da argila na produção de cerâmica, em que as peças passam apenas uma vez pelo forno.
MONTA-CARGA
Equipamento de transporte vertical, do gênero dos elevadores, para objetos e volumes de pequenas dimensões, que se coloca em edifícios de mais de um pavimento para atender os andares.
MONTANTE
Corpo saliente, moldura que guarnece as portas e janelas. Peça vertical, normalmente de ferro ou madeira, que divide uma janela da outra, uma porta da outra, um vão do outro etc.
MOSAICO
Obra executada com pequenos pedaços de vidro, esmalte, pedras coloridas ou mármore engastados em base apropriada de argamassa, estuque, betume ou cola. Tipo de revestimento que emprega pastilhas de vidro ou porcelana. No piso, o chamado mosaico português apresenta pequenos pedaços de basalto negro justapostos, contrastando com fragmentos brancos de calcáreo.
MOURÃO
Esteio grosso, geralmente de pedra ou concreto, firmemente fincado ao solo de distância em distância, envolvendo um terreno e servindo para fixar fios de arame, delimitando-o.
MOURISCO
Arcos ogivais, rendilhados e minaretes marcam a arquitetura mourisca (ou mudéjar), desenvolvida pelos árabes na Península Ibérica. Os adornos são ricos, complexos e abstratos. Esses arabescos geométricos trabalham com enorme variação de cores. As construções são voltadas para um pátio interno, e o interior da casa é protegido pelo muxarabiê. O estilo é facilmente identificado por suas torres e cúpulas ricamente entalhadas. A partir da invasão da Península Ibérica pelos mouros, esse estilo se difundiu no Ocidente. No Brasil, o Rio de Janeiro guarda uma obra erguida no mais tradicional estilo mourisco: a sede da Fundação Osvaldo Cruz.
MOVIMENTO DE TERRA
Trabalho relacionado com a modificação de relevo de um terreno, através da execução de cortes e aterros.
MURO DE ARRIMO
Obra que tem por objetivo sustentar o terreno. É feita de pedra ou de concreto, armado ou não. O próprio peso da terra deve servir de sustentação para o muro de arrimo, daí sua conformação estrutural.
MUXARABIÊ
Balcão protegido, em toda altura da janela, por uma treliça de madeira, a fim de assegurar ventilação e sombra e permitindo também olhar para o exterior sem ser visto. É um dos mais marcantes testemunhos da influência árabe na arquitetura. O mesmo que muxarabi.