Pesquisar no Glossário

Glossário de Obra

Significado dos termos mais comuns de reforma e construção iniciados com a letra E

A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z
EDÍCULA
Construção complementar, independente e erguida próxima da casa principal, para lavanderia e aposento de hóspedes ou de empregados. Pequena capela. Nicho reservado para abrigar as imagens dos santos.
EFLORESCÊNCIA
Marcas de bolor, decorrentes da infiltração de água. Deixa na superfície das paredes um pó cuja composição é predominantemente de nitrato de potássio, popularmente chamado de salitre.
ELEMENTO VAZADO
Peça produzida em concreto, cerâmica ou vidro, dotada de aberturas que possibilitam a passagem de luz para o interior da casa. Comum em muros, paredes e fachadas.
ELETROCALHA
Elemento de linha elétrica constituído por uma base com cobertura desmontável, destinado a envolver por completo os condutores elétricos providos de isolação, permitindo também a acomodação de certos equipamentos elétricos.
ELETRODUTO
Elemento de linha elétrica fechada, de seção circular ou não, destinado a conter condutores elétricos providos de isolamento, permitindo tanto a colocação quanto a retirada destes.
ELEVAÇÃO
Representação gráfica das fachadas em plano ortogonal, ou seja, sem profundidade ou perspectiva.
EMBOÇAMENTO
Assentamento das telhas da cumeeira com argamassa -aplicação da primeira camada de argamassa nas paredes.
EMBOÇO
Primeira camada de revestimento de argamassa das paredes, o mesmo que reboco grosso, cuja areia não foi peneirada.
EMPENA
Nome de cada uma das paredes laterais de edifício de telhado de duas águas, em cujos vértices superiores apoia-se a cumeeira. Usualmente, chama-se assim qualquer parede lateral, mesmo que nela não se apoie a cumeeira. Flanco cego de um edifício. Cada uma das faces dos frontões.
EMPENAMENTO
Deformação causada em peça de madeira por calor, umedecimento ou secagem desigual ocorrida em lados ou faces opostas, caracterizada por um encurvamento cilíndrico no sentido transversal ou longitudinal da peça.
EMPREITADA
Um ou mais profissionais contratados para executar qualquer tipo de obra ou serviço.
ENCABEÇADA
Diz-se de cada uma das tábuas paralelas cujas extremidades encaixam-se em tábuas transversais. O termo tem aplicação na designação das tábuas de soalhos.
ENCUNHAMENTO
Colocação da última camada de tijolos de uma parede, os quais ficam inclinados e comprimidos por argamassa até a estrutura, de forma que o acabamento fique coeso.
ENGASTAR
Embutir, encaixar.
ENTABLAMENTO
Nome do conjunto de molduras que ornamentam o cimo da fachada de um edifício, qualquer que seja o estilo arquitetônico. Nas ordens clássicas, nome do conjunto dos elementos sustentados, que são a arquitrave, o friso e a cornija. O mesmo que coroamento.
ENTRADA DE ENERGIA
Caixa de luz que contém relógio, chaves e fusíveis para controlar a entrada de energia na casa.
ENVAZADURA
Designação dos vãos abertos nas paredes para iluminação ou ventilação -as portas ou as janelas.
ENXAIMEL
Conjunto de estacas e caibros que sustenta as divisões da estrada da casa, podendo ou não ficar aparente na fachada.
EPÓXI
Tinta plástica e impermeável usada na pintura de peças metálicas, como caixilhos, ou de ambientes expostos a grandes umidades.
ESCADA CARACOL
Tipo de escada cujo eixo é vertical e na qual os degraus se dispõem em espiral ao longo do eixo.
ESCADA SANTOS DUMONT
Batizada com o nome do pioneiro da aviação, esta escada é sempre muito vertical, quase em pé. Por isso, seus degraus são mais largos de um lado e estreitos de outro, facilitando a mudança do passo.
ESCALA
Relação de dimensões entre um desenho e o objeto representado. Através de seu uso é possível representar, no papel, o edifício nos seus aspectos gráficos, como plantas, cortes e fachadas, permitindo ao observador visualizar as verdadeiras dimensões.
ESCORA
Peça de madeira ou metálica que ampara, sustenta ou serve de arrimo a um elemento construtivo por si só incapaz de suportar as solicitações dos esforços ali atuantes. Nas tesouras, nome das peças que vão mais ou menos do meio das empenas à base do pendural.
ESCOVADO
Metal polido com escovas, ganhando aparência fosca.
ESMALTAÇÃO
Aplicação, na superfície de placas cerâmicas, de uma camada de materiais vítreos que, quando levados ao forno para queima, fundem-se formando uma vitrificação sobre a peça.
ESMALTE
Tinta oleosa usada especialmente em esquadrias e em caixilhos metálicos.
ESPALETA
Nome que se dá em São Paulo e em outras regiões às saliências das paredes, como se fossem pilastras, feitas quase sempre para receber os marcos das portas. O mesmo que boneca.
ESPATULADO
Técnica de pintura que imita a textura da rocha, também chamada de estuque veneziano.
ESPELHO
Face vertical do degrau. Tábua que sobressai de alto a baixo na face de uma porta. Placa fixada à porta que guarnece o lugar de entrada da chave na fechadura.
ESPELHO D'ÁGUA
Pequeno lago artificial de pouca profundidade, em geral usado como complemento no paisagismo ou mesmo no interior da casa.
ESPERA
Pequena peça de madeira, em forma de cunha, que evita o deslocamento das vigas ou dos sarrafos. Também denomina as pedras ou os tijolos deixados salientes nos cunhais para possibilitar a amarração de futuras paredes.
ESPIGÃO
Nome da aresta saliente determinada pelo encontro de duas águas de telhado -quando horizontal, recebe o nome de cumeeira. Geralmente o termo é empregado para designar as arestas inclinadas decorrentes das interseções das tacaniças com as águas-mestras. Ponto mais alto do telhado de quatro ou mais águas triangulares.
ESPONJADO
Técnica de acabamento de superfícies que resulta em um aspecto granulado, cheio de pontos, por causa da aplicação feita com esponja.
ESQUADRIA
Designação genérica, usada em arquitetura, para indicar todos os tipos de caixilho empregados na construção: portas, janelas, venezianas etc.
ESTACA
Peça longa, geralmente de concreto armado, que é cravada no terreno, transmitindo o peso da construção para as partes subterrâneas, mais resistentes.
ESTACA BROCA
Quando a perfuração do solo é feita manualmente, com o auxílio de um instrumento chamado trado. É cravada em pequena profundidade.
ESTACA STRAUSS
Quando a perfuração é feita com um aparelho chamado Strauss - daí o nome da estaca. Esse tipo de estaca deve ser cravado em uma profundidade de até 8 metros.
ESTEREOTOMIA
Nome da técnica empregada para dividir, cortar e colocar com rigor os materiais de construção, principalmente aqueles que se destinam à confecção das paredes. Originariamente, este termo só era empregado em relação à pedra.
ESTILO
O modo de expressar-se de um grupo ou de um período histórico. Elementos constantes ou semelhantes da produção artística de um povo num determinado período. Peculiaridade que apresentam as obras de arte ou arquitetônicas, produzidas de acordo com certos princípios, numa dada época, por determinado povo, segundo técnicas específicas.
ESTRIBO
Peça de ferro batido que une o pendural das tesouras ao tirante. No concreto armado, são os pedaços de ferro redondo colocados transversalmente à armadura longitudinal e destinados, principalmente, a solidarizar esta e a absorver os esforços cortantes. O mesmo que botaréu.
ESTRUTURA
Conjunto de elementos que forma o esqueleto de uma obra e sustenta paredes, telhados ou forros.
ESTUDO PRELIMINAR
Quando se verifica a viabilidade de uma solução que dá diretrizes ou orientações ao anteprojeto.
ESTUFA
Galeria envidraçada onde são cultivadas plantas.
ESTUQUE
Revestimento muito utilizado em paredes e forros, preparado com várias demãos de massa básica composta de gesso, água e cola. Depois lixa-se a superfície, para mostrar as diferentes camadas de massa, cujo resultado é um efeito que lembra a textura de uma rocha.
ESTUQUE VENEZIANO
Massa rústica que dá às paredes textura similar à das rochas.